Aula de inglês para crianças: quando devo matricular meu filho?

Aula de inglês para crianças: quando devo matricular meu filho?

A resposta para a questão “quando devo matricular meu filho no inglês?” é assunto frequente entre pais preocupados com a formação de seus pequenos. Nessa sociedade global de interações velozes do século XXI, apostar em aula de inglês para crianças é mais que recomendado: é necessário.

No entanto, quando se trata desse assunto, existem ainda muitas dúvidas e decisões a se tomar. Nessa difícil missão de decidir o que é melhor para os filhos, qual é a melhor idade para aprender inglês?

No post de hoje, vamos ajudá-lo a refletir sobre algumas questões importantes, dando dicas que o ajudarão a decidir quando matricular seu filho no inglês e qual escola escolher. Confira!

Os mitos e as verdades

A primeira coisa que precisamos desmistificar é a ideia ultrapassada de que as crianças podem ter prejuízos no desenvolvimento intelectual caso aprendam uma segunda língua antes de dominarem o idioma materno.

Até o século passado, acreditava-se que a criança deveria, primeiro, dominar o seu idioma de origem. Só depois disso é que teria condições de aprender uma segunda língua. A neurociência avançou muito e vem ajudando a entender cada vez melhor os caminhos da aprendizagem. Hoje, já se sabe que quanto mais cedo o contato com uma segunda língua ocorrer, melhor.

Os avanços da neurociência

Nos primeiros seis meses de vida, o bebê é capaz de reproduzir sons de qualquer língua. Tudo o que ele experimenta é pura aprendizagem. A partir dos três anos de idade, ocorre a principal etapa de desenvolvimento da linguagem.

Entre os quatro e cinco anos, a criança deixa a fase egocêntrica e começa a ter mais noção de si e do outro. Dos seis aos dez anos, ainda não tem a atenção nem a concentração de um adulto — ela necessita de estímulos especiais, de atividades lúdicas e atraentes.

A idade certa

Segundo os especialistas, o aprendizado de uma segunda língua antes dos dez anos permitirá um aprendizado mais natural. As crianças se tornam fluentes porque têm menos compromisso com o acerto. Após os dez anos, a insegurança com a exposição pode começar a se manifestar.

As crianças têm mais facilidade de aprender uma língua estrangeira do que os adultos. Além disso, já está comprovado que o modo de ver o mundo das pessoas bilíngues muda de acordo com o idioma que falam.

A criança terá um discurso mais articulado, com facilidade para transitar entre diversos tipos de conhecimento com mais agilidade. Essa é uma habilidade que será determinante no futuro.

A escolha da melhor escola

As aulas de inglês exigem ambientes propícios para o aprendizado. É importante que o espaço seja estimulante e que a criança possa vivenciar situações cotidianas praticando o inglês naturalmente. Os espaços e materiais devem ser lúdicos, prazerosos, leves e interativos.

Faça uma visita às escolas de inglês e solicite uma aula experimental. Veja como é o ambiente onde seu filho vai estudar. Observe como a escola utiliza recursos como música, pintura, jogos, teatro, vídeos e computação. As boas escolas, com turmas menores, oferecem maior interação e atenção individualizada.

Agora você já sabe que quanto mais cedo a criança começa a aprende inglês, mais facilmente a língua estrangeira se torna natural. Não precisa sair do país! Há muitas escolas especializadas nesse aprendizado plural e estimulante com aulas produtivas para o crescimento cognitivo de seu filho.

Observe as motivações do seu filho e verifique seu interesse pelo aprendizado de uma nova língua. É sempre importante estar atento aos seus avanços, descobertas e afinidades. Essa etapa é essencial para ver como seu filho busca novos caminhos e aprendizados.

É importante, ainda, entender o desenvolvimento infantil, os mitos e verdades sobre aula de inglês para crianças. Trata-se de cuidar da infância para ver os filhos crescerem com segurança e tranquilidade. Sugerimos, por exemplo, buscar informações sobre a relação entre neurociência e o ensino de línguas.

Ficou interessado sobre a neurociência e o ensino de línguas? Não deixe de baixar, então, nosso e-book gratuito sobre o assunto! Nele, você aprenderá as últimas descobertas e a opinião de pesquisadores reconhecidos.

banner-rodapé-blog-ebook-diferencas-no-ensino-ingles